27 de julho de 2007

Minha toca, meu reino...


Todos temos nossas manias: ler somente antes de dormir; comer pelas bordas do prato; não pisar em riscos no chão; fechar a casa, e depois voltar e conferir a primeira porta que fechou, etc.
Gatos também têm suas manias. São mais sofisticadas (claro) mas também são manias. Arranhar sofás, subir em cima de mesas, passar na frente do vídeo enquanto você digita, deitar em cima do livro/apostila que você está lendo. Coisas assim.
Kyra e Tess são duas gatas com as manias acima (e outras). Além da paixão incondicional por sua dona - Luciana, minha namorada - as gatinhas também têm seus charmes: a última não se deixa acariciar na barriga, e a outra não gosta de ser pegada no colo.
Entre os infinitos atos de charme e dengo das duas, um fato muito curioso sempre me chamou a atenção: quando as duas se entocam debaixo de cobertores que ficam sobre o colchão, no chão.
Se você estiver deitado sobre o colchão, coberto, pode ter certeza que a qualquer momento alguém estará passeando sobre você, e deitando sobre suas pernas, ou embaixo do cobertor.
E se você levantar o edredon e disser "Kyra! A toquinha!" - a referida pessoinha irá correndo se enfurnar embaixo do pano. O mesmo vale pra Tess, mas, antes de entrar, ela rodeará a sala toda, fingirá que não viu, e entrará quando você não estiver olhando.
As duas não disputam território inicialmente. Como crianças, primeiro escolhem onde vão ficar, e depois vão provocar o outro. Se uma está embaixo da coberta, a outra estará por cima, pulando e dando patadas na debaixo. E, caso ainda não tenham entrado, se seus dedos (das mãos ou dos pés) estiverem aparecendo parcialmente, ou se mexendo embaixo do cobertor, a unhada é certa (já tomei várias).
A foto acima foi tirada enquanto eu conversava com a Lu. Virei-me, e percebi uma patinha pendurada na "porta" da toca. Continuei conversando, o tempo passou, e a patinha permanecia lá, pendente. Minutos antes as duas brincaram de "cat fight" e a Tess foi pra fora xingar impropérios e palavras-de-ordem para Kyra, que estava dentro da toca. O resultado da luta foi uma pata pendurada na porta. Um sinal do tipo "Vem cá que eu te arrebento!", em linguagem de gatos. Nada pessoal, com raiva, ou vingança. Acho que fazia parte da brincadeira a provocação, e a imposição do respeito (mordidas e patadas também).
O importante é que, minutos depois, as duas estavam se dando "o banho da paz", lambendo orelhas, alisando o pêlo e catando pulgas-imaginárias uma na outra.
E assim reinou novamente a paz, ficando uma lição para nós, humanos:
Não importa o quanto nossas diferenças nos façam brigar, discutir, ou mesmo arranharmos uns aos outros. O importante mesmo são as lambidas na orelha e a cata mútua de pulgas, em sinal de cordialidade. Afinal de contas, amigos reconhecem os defeitos uns nos outros, podem apontá-los mas sem magoar.

4 comentários:

Carol Costa disse...

A foto não aparece, tio Ozzy!

Tiago Koyano disse...

A foto apareceu, tio Ozzy...rs
adorei os salamalegos =D
e odeio gatos...arrrgh
um abraço!!!

Carol Costa disse...

Agora apareceu! Amei essa pata para fora! Os meus volta e meia fazem isso. Mas, ao contrário das suas, adoram carinho na barriga.

Ozzy, the Wizard disse...

Gostou Carol?!
Precisa ver as marcas que ficam na mão, quando invadimos ali.