12 de agosto de 2007

Dia de meu pai


Você foi, no dia 28 de janeiro deste ano, Deus te chamou para encerrar a conta. Noventa e seis anos bem vividos, com amigos, e admiradores, que em uma cerimônia belíssima, se despediram com música para você, que vivia cantando. Seu estilo de vida leve, sempre sorrindo e de bem com todos me ensinou muito: não vale a pena brigar, ou discutir com as pessoas que se gosta, pois nossa vida é uma dádiva, e merecemos vivê-la bem.
Ah, pai! Como foram bons todos os momentos ao seu lado. Sei que, agora, você descansa, mas deixo a homenagem para outros filhos e filhas que, hoje, pode abraçar seus pais.
Deixo aqui, também, o reconhecimento e gratidão pelo pai herói, sábio, companheiro, amigo que tive ao meu lado. Sim! Sinto orgulho pelo pai que tive. Orgulho santo. E sou grato ao Pai por haver permitido que eu convivesse com uma pessoa que, além do nome, era o mais próximo de um anjo (arcanjo, na verdade) que eu já convivi na Terra.
Miguel Corrêa Lima.
Saudades sempre.

Um comentário:

Carol Costa disse...

Lindo de doer, Ozzy.